sexta-feira, 8 de maio de 2015

HANGOUT DENÚNCIA REVELA PRÁTICAS ILÍCITAS NA OMB E SINDMUSSP

Por Marcos Santos

A jornalista Cláudia Souza-Blog Músico Empreendedor por meio das denúncias que circulam no Youtube há mais de um mês, trouxe à luz mais informações que comprovam  improbidade administrativa na OMB/CRESP e SINDMUSSP

Após editorial publicado neste blog dia 6 último cobrando TRANSPARÊNCIA  dessas entidades citadas acima com relação a condução dos trabalhos de ambas, porém, até hoje sem nenhuma resposta. Aliás, a resposta do Sindmussp veio de uma forma irônica por meio da sua página no fan page que republicou vídeos e entrevistas de acontecimentos que ocorreram há mais de um ano e portanto, além de não condizerem com a realidade atual da entidade, ainda subestima a inteligência de seus associados e seguidores, numa demonstração clara de que o sindicato permanece estagnado e, na tentativa de salvar a imagem já bastante desgastada pelas evidências das denúncias, recorrem a todo tipo de artimanha, todavia, para camuflar os verdadeiros interesses que existem por trás da densa cortina de fumaça que aos poucos vem se dissipando graças a coragem e compromisso social que este e outros veículos de comunicação vêm empreendendo sem nenhum interesse pessoal, político,  ou financeiro.                
Foto Marcos Santos
Placa na entrada do sindicato mostra a composição do grupo de pessoas que formam a diretoria.


   Foto: Marcos Santos
Mesa repleta de documentos que comprovam os esquemas ilícitos da OMB/CRESP e SINDMUSSP

Sorridente, Alemão exibe  CARTA SINDICAL que recebeu das mãos do
Ministro do Trabalho Manoel Dias. À esquerda Ricardo Patah-UGT

Em seu blog Músico Empreendedor a jornalista Cláudia Souza cita uma denúncia feita pelo músico e idealizador dos Hangouts denúncia, Mário Henrique de Oliveira, o Marinho, no dia 05 de maio sobre a efetiva participação do advogado Helder Silveira-representante da Ordem dos Músicos do Brasil/CRESP como fiel e incontestável negociador dos artigo 53 junto a empresários do show business que contratam atrações internacionais para o Brasil. Para comprovar a veracidade das denúncias, este blog conseguiu ter acesso a conversa gravada do advogado Helder com o empresário Manoel Poladian durante uma manifestação pública realizada pela OMB/CRESP e Sindmussp em frente ao Hotel Hilton no bairro do Morumbi, área nobre de São Paulo no dia 03 de outubro de 2014 data da primeira apresentação da turnê do maestro holandês André Rieu ao país. O teor da conversa não deixa a menor dúvida sobre o esquema de corrupção que perpetua há mais de cinquenta anos nessas entidades e que, incontestavelmente revelam que há um lucrativo  balcão de negócios ilícitos cujos favorecidos não são os músicos e seus dependentes, mas, pessoas oportunistas, inclusive, amparadas por políticos de Brasília e entidades sindicais que nada tem a ver com a causa dessa classe que luta, ou, que deveria lutar com mais entusiasmo pelos seus ideais.


Mário Henrique de Oliveira e seus Hangouts denúnica.








Transcrevemos na íntegra e sem cortes a conversa irrefutável ao telefone celular  do negociador do balcão de negócios Helder Silveira-advogado e representante da OMB/CRESP e Manoel Poladian dono da Poladian Produções. Entenda como funciona o esquema dos fraudadores.

Imagem jornalista Marcos Santos
Alemão-presidente do SINDMUSSP e Helder Silveira olham feio para o filho e produtor musical
do  Poladian Produções enquanto o mesmo confere a irregularidade no contrato.

 Confira abaixo a conversa gravada sem cortes em frente ao Hilton Hotel.

(Helder Silveira OMB/CRESP) “...Essa conversa Poladian, não tem como ser por telefone. Vai ter que sentar você, o Gerson que é presidente do sindicato e o Roberto-presidente da Ordem...Aonde? A gente pode ir, vai e conversa com você, isso, os três. Não, não, as pessoas (manifestantes e líderes sindicais) estão aqui e vão continuar, não pode mandar ir embora. Poladian, olha só: eu mandei um recado pra você pela Eleonora no último tango que foi realizado. Eu falei: não vou nem querer receber porque esse valor é aviltante (desonroso, humilhante, ultrajante). Não tinha mais condição, não tem mais, as coisas mudaram entendeu? A gente senta, conversa de forma educada. Agora, a manifestação aqui continua, inclusive, tem três ônibus pra irem lá pro Ibirapuera (local do show). Três ônibus de músicos com banda, com tudo...Ué, vai acontecer isso!   O André Rieu sabe que o valor do contrato são sessenta mireais?...Então a gente tem que ver isso. Tá bom, então vamos ver o Gerson (Alemão) presidente do sindicato e o Roberto presidente da OMB. A gente vai, aonde que é o endereço?” 

(depois disso seguiram todos para o escritório da Poladian Produções que fica há duas quadras do Hilton Hotel). 

Após uma hora e meia de conversa reservada, o trio voltou sorridente e fazendo o gesto do movimento operário com a mão de punho cerrado como fizera José Genoíno(PT) após ser preso. Todos se abraçaram em frente ao Hotel Hilton colocando portanto, um fim na manifestação.
O ato foi publicado na Veja online o qual você pode conferir
acessando link abaixo.     
                                    
Imagem Marcos Santos
Alemão à esquerda, Grimaldi ao centro no balcão e à sua direita
Poladian Júnior e Roberto Bueno entre eles se identificando na
entrada do prédio da Produtora de eventos.
Imagem do jornalista Marcos Santos
Helder Silveira conversando no celular com Manoel Poladian  e ao lado
o filho do empresário Poladian Júnior.



Marinho apresentou cópias de vários contratos com valores irrisórios que mal dá para tomar um cafezinho num boteco da esquina, valores simbólicos apenas para cumprir protocolos e facilitar o desvio do valor real dos contratos. A jornalista Cláudia Souza questiona sobre esses valores no seu blog e deixa uma pergunta que, até hoje não se obteve resposta: "Por quê os valores arrecadados não correspondem ao valor real do contrato? Não seria inconcebível num contrato internacional com recolhimento de valor praticamente simbólico"?
Foto reprodução internet

Mas o balcão de negócios não se restringe apenas em barganhas por cifras milionárias advindas do Art 53, todavia, nesse jogo sujo de poder, cargos também são negociados a base de coação tendo como intermediário o contador que há décadas trabalhou para a OMB/CRESP, Sérgio Boarin, porém agora é braço direito de Gerson Tajes (Alemão). Como instrumento de coação o departamento de jornalismo do SINDMUSSP (hoje extinto) por ordem e orientações do Alemão, produziu este boletim abaixo no qual usaria em Brasília durante a sessão fechada  para nomeação dos cargos. Este boletim foi encaminhado  para o  e-mail de Gerson Tajes  que, às pressas seguia para Brasília acompanhado do seu assessor Grimaldi Santiago em meados de 2014 com o objetivo de frustrar a reunião do Conselho Federal quando ambos (OMB/CRESP) ainda estavam em pé de guerra. Pelo jeito o método de coação deu certo, haja vista que depois do "barraco" que o Alemão fez no Distrito Federal não demorou muito e já estava sendo outorgado pelo Conselho Federal da OMB como Presidente da Comissão de Reestruturação Administrativa e Operacional da entidade federal, arrastando consigo Gilberto Rodrigues Pereira (que nem músico é) como secretário. Era tudo que Alemão precisava para entrar como interventor na Ordem dos Músicos do Rio de Janeiro em outubro de 2014 conforme relata a reportagem do Músico Empreendedor. Há informações de que, Gerson Tajes, Fernando Skylo, seu secretário no Sindicato dos Músicos em São Paulo, Gilberto, o Gyba e Mauro Almeida produtor musical das antigas, invadiram a entidade carioca de forma truculenta e criminosa.

Saiba mais acessando:
http://www.musicoempreendedor.com/2015/05/hangout-denuncia-coloca-em-duvida.html



Foto reprodução internet
Invasão do Alemão causa tumulto na entrada do Conselho Federal






                
Boletim que foi usado como instrumento de coação à época pelo Alemão, encurralando Roberto Bueno que não aguentou as pressões, e acabou cedendo com medo de sofrer possíveis processos na justiça e intervenções da Polícia Federal, Ministério Público Federal e COAF- Conselho de Controle de Atividades Financeiras.





                             





              Tentamos por várias vezes falar por telefone com a OMB/CRESP, mas ninguém nos           atendeu.
                                                            

Evidências que comprovam todas essas manobras fraudulentas estão sendo mostradas quase que diariamente, entretanto, espera-se que toda a panaceia apresentada resulte na tão esperada cura dessa enfermidade maligna por nome de corrupção, ainda que, aparentemente o quadro aponte para um estágio terminal, entretanto, a classe musical precisa continuar acreditando que há cura.   




Saiba mais sobre o caso André Rieu: 












Volta ao início