quinta-feira, 14 de maio de 2015

Selfies...Realidade ou utopia? Para quê servem? Tradução: autorretrato.



Foto reprodução da internet.
A fisioterapeuta Mariana Scoralick-Guiscem Pardini faz sua selfie para registrar momentos importantes, como vestida de noiva, mas é avessa aos excessos.


Por Marcos Santos



Essa prática se tornou uma febre no mundo todo e há um ano qualquer pessoa com um celular de câmera frontal pode registrar imagens de um momento de lazer, festa, emoção, enfim. Mas estudos revelam que esse comportamento tem se tornado cada vez mais exagerado e com total falta de discernimento já que se trata apenas de uma necessidade de se expor sem a menor preocupação com o tema abordado no momento do clique. Especialistas começam a estudar essa moda e para alguns a epidemia do autorretrato, muitas vezes, passa dos limites e beira a falta de respeito ao outro. A psicóloga Renata Feldman disse à um  site mineiro que, ao postar uma selfie,  o autor espera um "curtir" automático e imediato e enfatiza que o ato em si pode ter um forte viés de hipocrisia já que o fator amizade pesa muito e todos que participam daquela rede contam com elogios. 
                                                        Psicóloga Renata Feldman: Foto reprodução da internet.                                                      
Toda informação direcionada a um público alvo precisa ter começo, meio e fim, senão fica evidente que há manipulação e interesses tendenciosos por trás daquilo que está sendo mostrado. No jornalismo para que a notícia seja eficiente e assertiva é fundamental que se aplique o lead como fórmula essencial para atrair o leitor. Ele tem a função de guiar o leitor/público sobre os acontecimentos reais. Já no marketing, o lead é utilizado para convencer o público de que tal produto é confiável e merece toda credibilidade. Portanto, separei algumas imagens  para discutirmos até que ponto, o que esta´sendo mostrado nas selfies abaixo tem a ver com o fato real e, se o texto realmente condiz com a verdade desses fatos. Analise e tire suas conclusões.
Foto reprodução da internet.
Foto reprodução da internet.

Pois bem; o objetivo de abordarmos este tema é gerar aos nossos leitores e seguidores uma reflexão do quanto pessoas representantes de instituições sustentadas com dinheiro público estão se apropriando de maneira equivocada e usando esse recurso comunicacional sem o menor conhecimento e comprometimento com a verdade dos fatos por eles apresentados. Fica latente que há um desespero muito grande em querer desviar o foco das inúmeras irregularidades que este blog e outras mídias sociais têm apresentado nos últimos dias.

Não seria mais fácil e honesto o Sindmussp vir à público (caso respeitasse seus associados e simpatizantes) e se defender das acusações verídicas ao invés de insistir nesse ridículo amadorismo onde a máxima é esse jogo sujo do poder independente de que maneira esse quadro possa ser desenhado, porém, fica cada vez mais difícil convencer não só a classe musical, mas acima de tudo, pessoas que têm acompanhado diariamente as notícias verídicas aqui publicadas. Não há nada de errado tirar uma, duas, três ou mais selfies, porém, a prática de má fé fica caracterizada quando essas imagens extrapolam o limite do respeito, da prudência e acima de tudo, do bom senso. 

  
                                                           Foto reprodução da internet



Foto reprodução da internet


                                           Edson de Paula-foto reprodução da internet

Escrevo isso usando das minhas prerrogativas e obrigações de jornalista, entretanto, como músico e pai de filhos músicos, tenho todo o direito de exigir respeito à quem se intitula nosso representante. Garanto que, se a nossa classe musical fosse unida, ousada e corajosa ao ponto de externar assim como eu e meia dúzia de músicos, a indignação e inconformismo com a atual e caótica situação (no nível operacional e administrativo)  em que se encontra essas instituições em questão.  O escritor e máster coach  Edson de Paula relata que o desejo compulsivo de tirar fotos de si mesmo, em qualquer ocasião sem discernimento ético ou moral, e publicá-las em mídias sociais, afasta as pessoas do mundo real, anulando sua empatia, que é o ser humano compreender e perceber a realidade dos outros. Ou seja: de acordo com o comentário do palestrante, quase sempre a imagem apresentada não condiz com a realidade e o pior, afasta as pessoas do mundo real.

Como já foi escrito no blog Músico Empreendedor pela jornalista Cláudia Souza, o dinheiro que entra no Sindicato dos Músicos e Ordem dos Músicos do Brasil/CRESP que chega a casa dos R$3 milhões por ano, daria para fazer um trabalho limpo, honesto e transparente (caso fosse esse o foco) mostrando um cotidiano real e não utópico por meio de plataformas de comunicação como: sites, blogs, facebook, Youtube, jornais impressos, revistas, boletins, entre outros.

Olha só que interessante a declaração que a fisioterapeuta Mariana Scoralick-Guiscem Pardini deu à um site de Belo Horizonte-MG. Ela disse que curte fazer selfies, mas é contrária aos excessos. “É legal, a foto é essencial e faz parte da vida de todos. Mas é preciso saber o que postar. Gosto dos momentos importantes, o noivado, uma viagem, encontro com os amigos e a família. Agora, selfie só minha está no meu celular , só para mim. É pessoal, para registrar o meu momento".


Foto reprodução da internet.
Alemão tira selfie enquanto pessoas estão de costas e portanto, fica claro a falta de respeito
com os outros participantes do evento. 

Concordo plenamente com a observação da fisioterapeuta. Analisando a selfie acima cabe a pergunta: As pessoas que aparecem de fundo concordaram com a exposição de suas imagens nesse ato compulsivo do fotógrafo amador?   Não é de bom tom achar que todo mundo tem o dever de curtir ou compartilhar uma imagem, na qual eu apareço com a minha cara gorda querendo mostrar que estou fazendo alguma coisa útil, quando na verdade, a real intenção é desviar a atenção para os fatos mais importantes que estão acontecendo e que deverão ter um desfecho completamente contrário ao que se tenta vender nessas exageradas selfies. Como já relatei na matéria anterior, existe uma densa cortina de fumaça negra que aos poucos vem se dissipando e haverá um tempo (espero que seja breve) que toda essa farsa; esse jogo sujo do poder achando que o vale tudo da politicagem desonesta, nefasta e cheia de más intenções, cuja essência nada mais é que sofismas, poderá prosperar por muito tempo. Portanto, que sejam finalmente desvendados e punidos no mais alto rigor da lei todos os envolvidos nesse teatro amador, subestimando de forma descarada a inteligência de milhares de trabalhadores da música que lutam para garantirem o seu sustento e da sua família.

Como disse Jesus em Mateus 22:21-"Daí pois a César o que é de César e, a Deus o que é de Deus".




















Volta ao início