sexta-feira, 24 de julho de 2015

INCOMPETÊNCIA DE MINISTÉRIOS FACILITAM AÇÕES CRIMINOSAS DE SINDICATOS.

                           "É necessário ver o que há por trás disso" 
Essa frase foi dita pelo presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Germano Siqueira ao jornal O Globo publicada hoje.

O portal de notícias do jornal O Globo trouxe informações muito relevantes numa série de reportagens publicadas durante esta semana mostrando que apenas 30% dos sindicatos brasileiros trabalham de forma regular e a esmagadora maioria são apenas de fachada e só servem para enriquecer os seus dirigentes que perpetuam por décadas mantendo este grande e lucrativo balcão de negócios. Essa crise endêmica já dura muitos anos e conforme mostrou a reportagem, os principais fatores são: ausência de transparência e ética de seus dirigentes, lentidão e falta de interesse da justiça e dos  órgãos  fiscalizadores federais em apurar milhares de denúncias que são feitas quase que diariamente (com provas documentadas) não só aos Ministérios Públicos Estaduais e Federal, como também ao Ministério do Trabalho-MTE apontado nas denúncias como principal facilitador para as decadências, ética e moral, descrédito da classe trabalhadora em seus representantes e, sobretudo, dificuldade dos associados em acessar informações e planilhas das prestações de contas (que devem ser divulgadas periodicamente) dos gastos que as entidades fazem com o dinheiro público.



 PONTO DE VISTA

A frase um tanto quanto subjetiva de Germano Siqueira traz em seu bojo elementos que merecem uma ampla reflexão e requer uma apurada investigação, por se tratar de um tema extremamente emblemático e ao mesmo tempo desafiador, por conta das péssimas e negativas circunstâncias em que se encontram quase 3/4 das entidades sindicais em todo o Brasil, segundo dados do portal O Globo. Porém, a matéria também mostrou que efetivamente a indiferença e falta de interesse dos filiados em cobrar dos seus representantes mais representatividade, honestidade e transparência na aplicação dos recursos financeiros, são os principais expoentes que levaram o sistema sindical brasileiro, a se organizar como entidades criminosas que agem livremente com a certeza de que nunca serão punidas.

Claro que o entrevistado do portal O Globo sabe exatamente o que há de errado por trás dos sindicatos, mas comedido, preferiu maximizar o debate colocando a culpa na Legislação Brasileira arcaica com suas leis ultrapassadas. No entanto, o que ele preferiu omitir, o músico e apresentador do 8º Hangout Denúncia-Mário Henrique de Oliveira, sem papas na língua revelou o que realmente existe por trás desse universo inescrupuloso dos sindicatos que há muito tempo não representam ninguém, a não ser seus próprios interesses, mas sobretudo, econômicos e financeiros.



Marinho acusa veementemente o Ministério do Trabalho como o principal pivô da bandalheira instalada nas entidades sindicais brasileiras e denuncia o presidente do Sindicato dos Músicos no Estado de São Paulo - Gerson Tajes o Alemão, de fraudar o estatuto além de  outros crimes, com a conivência do acuado presidente da Ordem dos Músicos do Brasil/CRESP, Roberto Bueno que, "misteriosamente" mudou de ideia e resolveu distribuir carteira de músico profissional para o  Alemão e maioria de seus diretores (também músicos práticos) contrariando a certidão expedida por ele próprio e, o mais grave, burlando o estatuto que nega prerrogativas administrativas à músicos práticos. Assista ao vídeo e confira as declarações feitas por Marinho e o documento assinado (disponível no final da matéria) pelo próprio Bueno, mancomunado com seu advogado  Helder Silveira. 

        8º HANGOUT DENÚNCIA





Mario Henrique de Oliveira prova que existem irregularidades e fraude no Sindmussp e mostra documentos.

NA MIRA DO MP E MTE

As declarações de Mário Henrique são muito graves e precisam ser apuradas pois ele acusa o Ministro do Trabalho-Manoel Dias e seu Secretário Manoel Messias Nascimento Melo de não conferirem os documentos que chegam em suas mesas para aprovação, entretanto, de acordo com seus interesses políticos e/ou econômicos, emitem ou não a tão sonhada carta sindical que é  o passaporte para os pelegos (expressão usada que define o caráter fascista de líderes sindicais) agirem livremente e de acordo com suas conveniências em sua maioria, criminosas em detrimento aos direitos dos trabalhadores por eles representandos. 
Foto Marcos Santos
Mario Henrique de Oliveira enfatiza em seu Hangout Denúncia que há indícios de cooptação de outras entidades sindicais nas fraudes do Sindmussp e o pior,  protegidos pelo Ministério do Trabalho. Da esquerda para direita: Alemão(presidente) e diretores, Ronald Fonseca, Adelmo Ribeiro, Fernando Skylo, Rodrigo Lau e Bill Martins

Essa é a triste realidade que assola a classe trabalhadora brasileira. Para Germano Siqueira é preciso discutir sobre a questão de unicidade sindical, pois o modelo atual enfraquece a representação dos trabalhadores em vez de fortalecer. A contribuição sindical também significa um grande prejuízo ao trabalhador, já que representa 11 dias dias de trabalho sem lhe dar nenhum retorno que seja viável pagá-la. A farra dos sindicalistas chegou a um nível de descontrole e impunidade tão absurdo que o jornal O Globo mostrou um presidente de vários sindicatos por nome de Etc e Similares-Fernando Bandeira. Ele que é ex-deputado estadual pelo PDT ( partido do Ministro do Trabalho Manoel Dias) atualmente é secretário-geral do Sindicato dos Vigilantes e Empregados em Empresas de Segurança, de Vigilância, de Transportes de Valores, de Prevenção e Combate à incêndios, de Cursos de Formação, Similares ou Conexos (Sindvig). No Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) está como tesoureiro. Por fim, é presidente do Sindicato dos Empregados de Agentes Autônomos no Comércio de Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisa (Sindaut).


Apesar de todas essas atribuições, Fernando Bandeira afirmou ao jornal que quasse não vai ao Sindvig. Mas essa não é uma prerrogativa apenas do ex- deputado PDTista, em São Paulo Gerson Tajes, "presidente" do Sindmussp (e interventor na OMB/RJ)  também quase não aparece na sede da entidade no centro de São Paulo. Fontes revelaram ao blog JORNALISMO.COM que dificilmente conseguem falar com o sindicalista que, atualmente escolheu ser a fada madrinha de pessoas que sonham em ter na música a consolidação profissional e financeira e por meio do produtor musical da Rede Record Valdir Vieira, Alemão tem conseguido mostrar o nada convencional lado assistencialista da entidade realizando caridades em troca de holofotes, entretanto, o que se pode ler nas entrelinhas é que o "nobre gesto" do sindicalista nada mais é do que tentar vender uma imagem de dirigente bonzinho, sério e honesto (acesse: http://www.musicoempreendedor.com/2015/05/hangout-denuncia-coloca-em-duvida.html)  que se comove com a situação de quem não tem oportunidade no universo da música brasileira.  



Foto reprodução da internet.
Alemão no programa Balanço Geral na Rede Record.



 O próprio pagodeiro Alemão, tentou várias vezes carreira como cantor de samba e pagode, mas seus projetos fracassaram, inclusive, há seis anos tenta alavancar a carreira do grupo Emoção a Mais (ganhador do Astros do SBT em 2009), mas sem nenhum êxito, já que no mercado da música poucos conseguem se consolidar e por isso os pagodeiros estão com a sua agenda vazia tornando ainda mais distante, o sonho de emplacar de vez no fascinante show business . O jeito mesmo foi, pelo menos, arrumar uma "boquinha" como diretores do sindicato à  dois integrantes do grupo: Ronald Fonseca-vocalista e Rodrigo Lau-percussionista além de, Adelmo Ribeiro (Dudé) ex-percussão do grupo de pagode Fino Trato, mas hoje responde pelo departamento social da entidade.  Todos aparecem na foto acima ao lado de outros diretores (também ligados ao pagode) em frente a sede do  Sindicarga. Mesmo sabendo que a qualquer momento sua carta sindical pode ser cassada e a falsa assembleia realizada em 19 de agosto de 2013 anulada devido a veracidade, das dezenas de denúncias que estão bombando na internet e comprovadas por meio de documentos, os quais a nossa reportagem teve acesso e mostra na íntegra logo abaixo, certidão expedida pela OMB/CRESP e demonstrativo de pagamento da taxa do artigo 53 da LEI 3857/60. Como o Alemão e seus amigos(diretores)não poderiam assumir cargos e nem mesmo votar em assembleias (conforme documento), desesperados,  buscam apoio de amigos ligados ao pagode, já que politicamente o Sindmussp se enfraquece cada dia mais por causa das inúmeras falcatruas denunciadas neste blog. Portanto, enquanto muitos sindicalistas preferem o anonimato e gastar o dinheiro dos filiados com viagens á países luxuosos como Dubai , París, etc. Alemão ao contrário, é ávido por superexposições midiáticas e tenta se consolidar por meio de cooptação à Rede Record de Televisão, ainda  sabendo que está totalmente na contramão das verdadeiras atribuições de um dirigente sindical e mais: dos próprios associados conforme comentários negativos na página do fan page da entidade, exceto, meia dúzia de bajuladores que curtem as práticas ilícitas do presidente. 





Com R$ 2.755.637,84 conforme discriminado no demonstrativo acima, daria para realizar o sonho de centenas de trabalhadores sem precisar recorrer ao marketing da enganação que privilegia uma ínfima parcela de músicos, enquanto milhares lutam sozinhos para tentar pelo menos garantir o seu sustento e da família, porque o sonho já foi roubado há décadas e ainda continua, portanto.

Estes são apenas dois dos vários documentos que o JORNALISMO.COM teve acesso e que, talvez, responda ao subtítulo dessa matéria. Existem provas ainda mais contundentes e comprometedoras  que, havendo interesse do Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério Público e Justiça Federal esses pelegos não permanecem nem mais um dia em seus cargos extorquidos.

Não percam nas próximas edições mais revelações com exposição de documentos que revelam as fraudes no Sindicato dos Músicos no Estado de São Paulo.

Comentários dos leitores do site o Globo.

"Enquanto a contribuição for obrigatória, os dirigentes não terão necessidade de mostrar serviço ou vantagem aos associados. Muito ao contrário, farão de tudo para que seja mínimo o número de associados, assim praticamente não há concorrência. Isso é uma vergonha para um país democrático." Norberto Saggioro.

"Os sindicatos somente servem para enriquecer os dirigentes e acharcar os trabalhadores."
 M Vogel.

"Nada disso é novidade, há décadas os sindicatos não servem pra nada." Roberto Reis de Mendonça.

Saiba mais acessando: http://oglobo.globo.com/brasil/ha-um-grave-problema-de-representatividade-no-sindicalismo-diz-entidade-ligada-justica-do-trabalho-16932738












Volta ao início