segunda-feira, 14 de março de 2016

6,8 MILHÕES DE BRASILEIROS FAZEM O MAIOR ATO POLÍTICO CONTRA O GOVERNO DILMA.

Por Marcos Santos

13 de março de 2016 entrou para a história do Brasil como o dia do maior ato político de todos os tempos superando, inclusive, a manifestação popular de 1992 que culminou no impeachment de Fernando Collor.

Foto Marcos Santos
Manifestantes na Avenida Paulista.

Nos quatros cantos da Avenida Paulista e em outros estados ecoou as vozes de 6,8 milhões de pessoas (de acordo com os organizadores) que gritavam: FORA DILMA! FORA PT! FORA LULA!  A NOSSA BANDEIRA JAMAIS SERÁ VERMELHA!


Ao contrário do que previa a própria presidente Dilma e seus asseclas o povo deu uma resposta totalmente contrária as suas previsões de que o protesto seria marcado por muita violência e sugeriu até, que as pessoas não fossem às ruas. Entretanto o ato de ontem foi considerado pela imprensa, sociólogos e cientistas políticos como a maior manifestação político-social contra a corrupção de todos os tempos.  "Acabamos de receber a informação dos órgão de imprensa de que já são mais de 2 milhões   aqui na Paulista e, o melhor, não precisamos pagar R$30,00 para as pessoas comparecerem hoje aqui. Isso demonstra claramente, de que todos nós estamos cansados desse governo corrupto e ladrão". Enfatizou Carla Zambelli-líder do Movimento #Nas Ruas. Além disso, Zambelli também pediu para que a população apoie a Polícia Federal e o Juiz Sérgio Moro. Aclamado como herói, Moro teve uma expressiva representatividade nas ruas de todo o país por meio de faixas, cartazes e até máscaras.  

                                                                                         Foto: Marcos Santos
      Carla Zambelli agradecendo aos participantes e disse que ninguém ali precisou receber R$30,00 para ir as ruas.

 Entre um discurso e outro dos integrantes do Movimento #Nas Ruas e convidados, o grupo de pagode Boca Nervosa  com seu repertório irreverente levou os manifestantes a cantarem músicas do saudoso Bezerra da Silva como por exemplo: Se gritar pega ladrão e outras de autoria própria bem humoradas, sobre a crise política e econômica que o Brasil enfrenta. Além dos pagodeiros , os roqueiros Lobão e Marcos Kleine guitarrista do Ultraje a Rigor também subiram no caminhão e manisfestaram a sua insatisfação, com relação a crise ética e moral dos políticos a qual colocaram o Brasil numa posição desfavorável com relação a outros países da America Latina e resto do mundo, devido os esquemas de corrupção orquestrados, principalmente pelo PT e, pediram ao povo para apoiar o Juiz Sérgio Moro-Operação Lava Jato e a Polícia Federal. 

Surfando na onda das manifestações.

Aproveitando a grande repercussão midiática e o número expressivo de manisfestantes nas ruas, políticos de oposição,  Aécio Neves e Geraldo Alckmin, ambos do PSDB tentaram surfar nessa onda, mas foram barrados pelos movimentos e taxados de oportunistas pelos manifestantes.  Além deles, Marta Suplicy (PMDB) também foi hostilizada pelo movimento e sem ambiente político para discursar, resolveu ir embora escoltada pelos seus seguranças. Em Brasília  Jair Bolsonaro-PP também não conseguiu seus 15 minutos de fama e foi vaiado pelo povo.

Humor foi o ponto forte na Avenida Paulista

O evento de ontem teve como característica forte e sem perder sua  essência e, nem fugir do tema central que é a corrupção endêmica dos últimos anos, a irreverência, criatividade e bom-humor dos brasileiros.  No carro de som do Movimento Brasil Livre teve até a visita do japonês da Polícia Federal, claro que é um sósia dele, mas mesmo assim, ele foi muito aplaudido pelos manifestantes. No caminhão da Carla Zambelli- #Nas Ruas ao contrário do japonês, o Papa Luiz 51, numa alusão ao Lula, benzeu a multidão com "água  benta" numa garrafa de 51, cachaça muito consumida no Brasil e foi muito vaiado pelos participantes como já era esperado.  Já o Movimento Endireita Brasil trouxe um pedalinho para a avenida com as inscrições: Fora Dilma e Lula ladrão e as pessoas aproveitaram para tirar fotos nele. 

OPINIÃO
Esta foi a maior demonstração de que o povo brasileiro apesar de todo o sofrimento que vem passando com a inflação, recessão, desemprego, estagnação econômica e, sobretudo, com o inchaço do Estado e a inércia dentro dos partidos políticos. Porém, ainda encontra ocasião para encarar com  muita sátira e descontração toda essa deterioração em todos os setores da sociedade por causa do desgoverno Dilma e seus aliados. Eu poderia dar a mesma notícia que todos os veículos deram, porém, como este blog é seguido por pessoas de outros países, inclusive brasileiros que também fizeram manifestação nos Estados Unidos e Europa e, portanto, achei muito importante enfatizar que apesar das angústias,  o quanto nós estamos amadurecidos para encarar essas crises e, acima de tudo lutarmos dentro do que é estabelecido pela Constituição Federal e leis vigentes no país. Enquanto o PT por meio do seu mandatário Luiz Inácio Lula da Silva e seus movimentos sociais patrocinados por ele,  tentam intimidar a nação e o chefão, incita a violência num discurso inflamado em seu Instituto no bairro do Ipiranga, zona sul de São Paulo. Entretanto, o povo responde ao seu desequilíbrio com muita irreverência e pacividade nas principais capitais do país. Há quem acredite que o evento de ontem terá sido o dia "D" para a iminente e acelerada queda do governo, mas, são três os caminhos que poderão confirmar essa expectativa de acordo com a Constituição Federal: Impechment,  Renuncia(o menos provável) e/ou processo de cassação da chapa PT-PMDB pelo Supremo Tribunal Eleitoral. Qualquer uma das opções será muito bem-vida pela população que não aguenta mais ver o Brasil caminhar a passos largos, rumo a uma inevitável depressão, agravando ainda mais este terrível abismo social graças ao isolamento político que a nossa presidente vem enfrentando e, mesmo enfraquecida pela baixa popularidade e desprezo da base aliada, tenta demonstrar na grande mídia e nos comícios que faz Brasil afora , que os desgastes, emocional, físico e principalmente político são apenas impressão de quem vê. Depois dessa forte pressão popular, os organizadores dos movimentos acreditam que essa será a penúltima, pois a última será marcada para comemorar a queda definitiva do PT e de todos os seus aliados que conspiram contra a nação. 

Confira as imagens do repórter Marcos Santos:







                             

             

                     Kim Kataguiri, líder do movimento Brasil Livre posa para foto com o sósia do japonês da PF.



 











                                                                Vídeos relacionados:
          
  Marco Antonio Villa-   Historiador e colunista da Rádio Jovem Pan e Jornal da Cultura                                                                     na TV Cultura
  




Ator Victor Fasano desabafa na manifestação do dia 13 de março


Líder do Movimento Vem pra Rua: só cego que não quer vê o que está acontecendo no país!
  Rogério Chequer

Kim Kataguiri líder do Movimento Brasil Livre.






Artigos relacionados:










Volta ao início