quarta-feira, 23 de março de 2016

Brasil vive um período de profunda ressaca cívica.

Por Marcos Santos

O Brasil nos últimos dois anos entrou numa profunda ressaca cívica sem precedentes. Antes da Operação Lava Jato do Juiz Federal Sérgio Moro, tudo parecia dentro da mais perfeita "ordem e progresso", mas, desde que começou oficialmente a operação em 2009, o clima por aqui vem esquentando cada vez mais, haja vista que a teia criminosa é muito mais extensa do que todos imaginavam.
Foto reprodução da internet

Talvez, o que essa quadrilha muito bem aparelhada e articulada politicamente pelo Partido dos Trabalhadores principalmente, não esperava, era encontrar pela frente um juiz  tão destemido-Sérgio Moro e uma polícia tão eficiente- Polícia Federal (PF) que fossem capazes de levar as investigações até as últimas consequências sem se renderem as ameaças de quem quer que seja,  doa a quem doer. Os poderosos e responsáveis, os quais deveriam trabalhar para colocarem o país nos melhores patamares de desenvolvimento econômico com relação aos países vizinhos, simplesmente resolveram fazer do jeito que lhes convinham, roubando as nossas riquezas e sonhos e portanto, estão colhendo o que plantaram. O "propinoduto" que serviu para irrigar essa malha criminosa há anos, entra em seu estágio maior de decomposição atingindo agora o andar de baixo da Odebrecht e encurralando o chefe maior, o ex-presidente Marcelo Odebrecht, preso desde junho de 2015 e promete revelar todo o esquema criminoso por meio de delação premiada e explodir de vez esse barril de pólvora. Mesmo com tantas evidências criminosas envolvendo o primeiro escalão do governo petista e as cinco maiores empreiteiras do país, ainda tem uma expressiva parcela da sociedade, inclusive, artistas de grande expressão e projeção midiática  que apoiam o emblemático escândalo de corrupção do mundo envolvendo o maior  patrimônio de todos os brasileiros: a Petrobrás.http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2015/06/marcelo-odebrecht-ameaca-derrubar-republica.html

Foto reprodução da internet
Marcelo Odebrecht sendo detido pela Polícia Federal.

É impossível acreditar que, pessoas ligadas ao patrimônio cultural brasileiro e que lutaram por uma independência e liberdade de expressão, estejam apoiando o pior e mais complexo esquema de corrupção já deflagrado das últimas décadas. Em uma carta aberta de dezembro de 2015 e divulgada pelo site pragmatismo político, mais de setenta personalidades ligadas a diversos segmentos da cultura brasileira e da mídia se mostraram contrários ao impeachment da presidenta Dilma. Obviamente que num país democrático todos têm direito de expressar suas opiniões e pensamentos, porém, o que mais chama a atenção é: o que levaria por exemplo, um artista da estirpe de Chico Buarque de Holanda apoiar um governo, cujas práticas criminosas  de lesa-pátria a cada dia que passa ficam mais evidenciadas?

Mais cego é aquele que não quer enxergar!

"Independente de opiniões políticas, filiação ou preferências, a democracia representativa não admite retrocessos. A institucionalidade e a observância do preceito de que o Presidente da República somente poderá ser destituído do seu cargo mediante o cometimento de crime de responsabilidade é condição para a manutenção desse processo democrático." Esse trecho da carta é a síntese de que eles não querem enxergar a realidade dos fatos, e de lá para cá, ou seja; em apenas três meses da divulgação da mesma, muitas coisas aconteceram, mas pelo jeito a "lavagem cerebral" que o PT fez nessas pessoas ultrapassam os limites da razoabilidade.
                                                                                          Foto reprodução da internet

"Se houver impeachment e Lula for preso, não haverá um dia de paz no Brasil" ameaçou o líder do MTST Guilherme Boulos.
Ora, desde quando o Brasil tem de se render a movimentos criminosos patrocinados por Lula e seu partido? - A certeza de que nunca seriam desmascarados e punidos na esfera criminal, dava-lhes a falsa sensação de que o projeto criminoso do PT jamais seria desmantelado. A verdade é uma só: acabou a "boquinha" para quem achava que esperteza e malandragem sobrepõem as leis vigentes no país, sobretudo, regidas pela Constituição Federal de 1988. Os movimentos sociais democráticos e apartidários nas ruas do Brasil desde 2015, mostraram claramente que ainda podemos e devemos lutar pela ordem e progresso e virar esse jogo cujo placar ainda continua bem indefinido, porém, com inúmeras chances de um resultado surpreendente para todos nós.

O que a Operação Lava Jato já produziu de resultados positivos nos últimos dois anos, não deixam dúvidas de que o país estava sendo saqueado discriminadamente  sob a chancela dos próprios governantes do primeiro escalão do governo. De acordo com o Ministério Público Federal, ao todo até agora foram:

Isso tudo é apenas a ponta do iceberg desse imenso oceano de corrupção que favoreceu milhares de pessoas, inclusive, artistas que são aplaudidos de pé nos teatros e casas de shows de todo o Brasil. É a cultura do crime andando de mãos dadas com a cultura que, paradoxalmente ajudou este país sair debaixo da opressão da ditadura militar de mais de duas décadas. Hoje, é muito cristalino a todos os brasileiros que as lutas sociais carregam em seu bojo interesses pessoais em detrimento aos verdadeiros anseios da maioria dos brasileiros. Esperamos que essa 26ª fase da Operação Lava Jato batizada de Xepa com 13 mandados de prisão, produza revelações ainda que, dolorosas a todos nós, porém, que aponte um horizonte de possibilidades animadoras no campo da política, mas, acima de tudo, no campo da economia obrigando os criminosos a devolverem os bilhões saqueados que poderiam ser investidos na saúde, educação, segurança, saneamento básico, moradias, etc. Portanto, é inadmissível conviver num país tão rico em biodiversidade e tantas riquezas naturais com dimensões continentais, mas que na verdade, essa riqueza toda está nas mãos de partidos políticos e empresários bandidos que conspiram contra a nação e fizeram dela seu patrimônio individual e a transformaram em instituição privada dentro de um processo criminoso muito bem elaborado dentro da maior construtora do país: a Odebrecht. 

Esperamos que o Brasil consiga sair dessa crise endêmica e conquiste sua credibilidade junto aos organismos internacionais e que a Operação Lava Jato volte as mãos do seu competente condutor:Juiz Sérgio Moro. Isso trará a todos nós um alento e os terríveis dias de ressaca que vivemos poderão ser transformar em dias de muitas esperanças positivas, haja vista que, há muito que ser investigado e exposto a luz da justiça, das leis e da ordem. 


Artigos relacionados:




Volta ao início