quarta-feira, 27 de julho de 2016

MinC faz MEGA faxina na administração da Cinemateca.

Em matéria publicada no site G1 em 26 de julho, a Cinemateca passou por uma inesperada faxina que culminou na demissão de 70 funcionários comissionados que não tinham vínculo com o serviço público federal.

Se a moda pegar realmente,  muitas entidades ligadas à cultura deverão passar pelo mesmo pente fino e já devem estar muito apreensivas. O que o MinC está realizando de fato,  é a desconstrução de uma estrutura viciada que incorporou-se em diversas entidades que deveriam fomentar a cultura com pessoas legitimamente capacitadas para ocupar esses cargos dentro de um plano de carreira conforme determinam as Leis: 8.666/1993 e 8 .112/1990. Porém, a maior e mais importante identidade de uma nação que é a cultura, está totalmente sucateada e em mãos erradas.  Mas, parece que o Brasil finalmente está caminhando rumo ao conceito daquilo que deve ser politico e legalmente correto, sobretudo, abrindo caminhos para os verdadeiros profissionais de nível superior que, por meio de concurso público  dedicam horas e horas de estudos e sacrificam feriados e finais de semana debruçados em livros, apostilas, vídeo-aulas mas, na maioria das vezes têm seus sonhos frustrados por causa de um esquema político partidário já engendrado nessas administrações, impedindo portanto, que os verdadeiros agentes públicos ocupem seus espaços.   A resposta do MinC é muito clara: A cultura do cabide de emprego no país está com seus dias contados. 
Foto reprodução da internet.

Em nota, o Ministério da Cultura afirma que efetivou no total a exoneração de 81 comissionados que não tinham vínculo com o serviço público federal. "As exonerações fazem parte da reestruturação da pasta e do plano de valorização dos servidores de carreira, anunciado pelo Ministro,  Marcelo Calero, por ocasião de sua posse", diz a nota.

Volta ao início